8 de agosto de 2011

HÁ 66 ANOS, UMA BOMBA ATÔMICA MARCAVA PARA SEMPRE A HISTÓRIA DE UMA NAÇÃO




Genebra, 06 ago (RV) – Hoje, 06 de agosto, é uma data que não pode passar em branco para o mundo. É o aniversário de 66 anos do bombardeio atômico estadunidense sobre Hiroshima, no Japão. Era o ano de 1945, no contexto da Segunda Grande Guerra. Três dias depois, 09 de agosto, portanto, outra bomba atômica foi lançada, dessa vez sobre Nagasaki. As conseqüências são sofridas pelo povo japonês ainda hoje.


Por isso, o Conselho Mundial de Igrejas (CMI) difundiu uma declaração para relembrar a data. E lê-se na mensagem que “a cada agosto, com pesar mas também com esperança, nosso pensamento vai àqueles que sofreram com esses bombardeamentos”. O documento, aliás, intitula-se “Não Podemos Viver com tais Perigos”, em clara referência à energia atômica.

“Certamente – continua a nota – o memorial mais bonito que se poderia fazer para o meio milhão de vítimas de Hiroshima e Nagasaki seria o de eliminar as armas nucleares enquanto ainda vivem os sobreviventes daquele episódio”.


O Conselho Mundial de Igrejas expressou apressamento pelo acordo assinado entre Estados Unidos e Rússia, no ano passado, segundo o qual ambos comprometeram-se em diminuir gradativamente o seu arsenal atômico. Contudo, o CMI lembra que, mesmo em meio a crise, enormes somas têm sido aplicadas para modernizar o arsenal atômicos de vários países.


Encerra-se o documento com as palavras do Patriarca Ecumênico Bartolomeu I: “A nossa situação atual é sem precedentes na história, pois nunca antes foi possível para o ser humano eliminar tantas pessoas ao mesmo tempo e também grandes proporções do planeta”.


E lê-se, por fim, ainda retomando as palavras o Patriarca: “Estamos diante de circunstâncias completamente novas, as quais exigem um empenho radical pela paz. Como Igrejas, não podemos aceitar ameaças dessa magnitude, e como membros da família humana, não podemos permitir que perigos tão grandes fiquem sem resposta”. (ED)





 
Postar um comentário