22 de outubro de 2014

MEU LIQUIDIFICADOR MATEMÁTICO

Não sou especialista em matemática e com certo sacrifício resolvo minhas necessidades com base nas quatro e simples operações, adição, subtração, multiplicação e divisão. Tanto me atrapalho com números que comprei um liquidificador matemático, o qual me ajuda muito quando fico atabalhoado com os números. É o único no mundo. Não dou, não vendo, não empresto, mesmo porque ele só concorda em trabalhar comigo. É personalista ao extremo, sistemático. Mas com todas as suas manias com as quais aprendi conviver, atende minhas necessidades.
Como você que me lê, também estou “abestado” com os números das pesquisas eleitorais para Presidente da República. Nenhum instituto se entende, revelam números que não coincidem. Pior de tudo é que estas estatísticas aguardadas com inusitado interesse por todos os eleitores e os não eleitores, não agradam ninguém. As discrepâncias são tantas que causam dúvida geral. Os institutos então são motivo de chacota nacional. Claro, quem sai na frente fica calado nas desconfiado, porque pensava que estava muito melhor aquinhoado. Disfarça contentamento. Quem fica fora do pódio, estrebucha igual frango esganado, dizendo que os números são falsos. “Manipulados” como dizem.
E o povão da galera? Bem, nós duvidamos também, porque não conhecemos ninguém da nossa turma que foi consultado para emitir opinião. Nem vizinho, ou amigo de boteco, da rua, do pagode, do futebol, ninguém foi procurado por alguém identificado como pesquisador. Mais estranho ainda é que nas rodas de conversa sem futuro, os dados mostrados nas pesquisas não refletem o que captamos no dia a dia. Como é que Dilma está na frente da pesquisa se não encontramos nenhum eleitor dela? Por que o Aécio está em segundo lugar, se aqui na fábrica, na minha casa, na esquina, no futebol, todo mundo diz que vota nele? Mistérios que ninguém consegue decifrar.
Mas.... eu tenho um liquidificador matemático e dele me socorri. Coletei todos os dados das pesquisas destes institutos feitas nas regiões do Brasil e coloquei tudo no liquidificador, com uma dose extra de ceno e coceno, hipotenusa e logarítimo, para dar um gosto especial e final. Liguei. Ele processou por vários minutos e silenciou, e eu esperando a resposta. É esqueci de contar, meu liquidificador matemático fala e foi assim que de repente disse-me: “Pegue aquelas taças e as classifique como Norte, Sul, Sudeste, Centro Oeste e Nordeste. A medida que eu for falando despeje nelas o que processei a seu pedido, exatamente nesta sequencia”.
Obediente, cumpri a ordem e assim ficou o conteúdo nas taças, seguindo a classificação conforme exposto acima:
Aécio: 44% - 61% - 59% - 63% - 32%, processo que resultou em 51,8%.
Dilma: 56% - 39% - 41% - 37% - 68%, processo que resultou em 48,2%.
“Agora – disse-me o liquidificador matemático – pegue mais uma taça, porque tem um restinho de suco aqui. E coloque nela o nome de Diferença Positiva, que receberá exatos 3.6% de tudo que você colocou para processamento”.
Mas o que é essa tal ‘Diferença Positiva?”, desejei saber, já imaginando que também viria aquela explicação hilária de “dois pontos porcentuais para cima ou dois pontos porcentuais para baixo”. Mas meu liquidificador matemático antecipou-se e explicou: “Os 3.6% é a diferença positiva para o Aécio, após o processamento de todos os números que você me apresentou. E agora, me deixe em paz, pelo menos por hoje, porque devo descansar um pouco, pois tenho certeza que amanhã vou ter que processar tudo de novo. Não vejo a hora do Domingo chegar para saber quais argumentos serão usados para justificar os tais “dois para cima ou dois para baixo”.
E o meu liquidificador matemático silenciou.
Saí sem fazer barulho, confortado porque ele não enveredou para a peroração da tal enigmática e hilária frase “dentro da margem de erro”.
Estou em paz, porque voto no Aécio e o meu liquidificador matemático deu a ele vantagem de 3.6%. Eu acho que será mais. Quem sou eu para discutir com um liquidificador matemático?



Hairton Santiago (Clique para conhecer esse autor)

Fonte Facebook 22/10/14



Postar um comentário