26 de junho de 2013

Protestos e o Jeitinho Brasileiro

João Fidélis de Campos Filho

Corrupção disseminada em todos os poderes, alto índice de criminalidade nos grandes centros urbanos, política econômica populista e sem responsabilidade fiscal, inflação e baixa renda per capta. Estes entre outros fatores certamente tenham motivado este clima de descontentamento que levou muitos jovens às ruas. O aumento da tarifa foi o estopim. O país acordou de repente e começa a fazer uma auto-avaliação, buscando saídas emergenciais.

Mas será que estes problemas serão solucionados? Realisticamente falando, as perspectivas são ínfimas. Contudo isto não invalida este movimento cívico, que procura sacudir os poderosos de seu comodismo com a situação e tenta estimulá-los a trabalhar por mudanças profundas no modo de tratar estas mazelas crônicas. Dizemos que são pequenas as perspectivas de solução no curto e médio prazo porque estas mazelas não se resolvem apenas por decretos: elas precisam ser sedimentadas culturalmente pelo povo. Isto quer dizer que o governo pode até mudar o código penal (para punir os crimes de corrupção), combater o tráfico (que é uma das maiores fontes de criminalidade) e tentar controlar o déficit das contas correntes (que provocou a fuga dos investidores estrangeiros), entre outras muitas medidas urgentes, mas o cerne dos problemas brasileiros chama-se educação.
Com uma educação de bom nível os valores culturais mudam e as pessoas passam a prezar mais a ética e a abandonar a prática de “levar vantagem em tudo”. Como se diz comumente: como ter políticos honestos se o brasileiro quer dar um jeitinho em tudo para burlar a lei?

Não há milagres quando se fala em aprimoramento comportamental. Em sociedades civicamente involuídas prevalece um jogo de interesses que talvez só sirva à concentração de renda, à desigualdade e aumento do poder dos que estão no ápice da pirâmide econômica. É inegável que os governos nas últimas décadas têm procurado implantar políticas de distribuição de riquezas para diminuir este lastimável percentual de pobres em relação à minoria que detêm os meios de produção, mas sem uma mudança cultural e educacional não há como avançar. Continuaremos a ser um país de maioria pobre e semianalfabeta.

João Fidélis de Campos Filho-Cirurgião-Dentista





Postar um comentário