14 de agosto de 2012

Valorização do Esporte...A suíça Gabrielle Andersen entra no estádio olímpico de Los Angeles em 1984, atormentada por câimbras e dores



Veja  mais sobre Gabrielle nos links:

Gabrielle Andersen - Los Angeles em 1984

Vídeo:
http://www.youtube.com/watch?v=CKTjdXyJuYM


"Junto com esses vídeos eu resolvi publicar no mesmo post o artigo abaixo do amigo Dr. João Fidélis, onde ele opina sobre a falta de estímulo no esporte brasileiro" .


Valorização do Esporte
O trabalho dos repórteres e narradores brasileiros durante as olimpíadas pode ser até constrangedor ou desestimulante ao repercutir os maus resultados dos atletas de nosso país, mas, ao mesmo tempo, nada pode soar mais educativo do que mostrar as deficiências e dificuldades do Brasil na área esportiva. Muitos dirão a velha máxima que “vale mais competir do que vencer”, ou que “o importante é união entre os povos”, contudo desde muitas olimpíadas atrás o Brasil vem tendo uma participação decepcionante, pífia, e é preciso enfrentar com seriedade este problema.

Para um país de dimensão continental e com 200 milhões de habitantes, que deveria ter uma participação nas olimpíadas bem mais incisiva, fica patente que o investimento em esporte segue o mesmo parâmetro que o da educação, ou seja, é relegado a segundo plano, e segue a tradição cultural brasileira de empurrar para debaixo do tapete seus problemas crônicos.

Em 2008, nas Olimpíadas de Pequim, o Brasil ficou no vigésimo terceiro lugar do ranking dos países participantes, com um total de 15 medalhas (três de ouro, quatro de prata e oito de bronze). Mesmo que consiga melhorar esta performance nos atuais jogos é necessário pensar que em 2016 as olimpíadas serão em nosso país e precisamos como anfitriões melhorar muito estes resultados.

Já há muito tempo fala-se que o principal problema do Brasil está na falta de formação de atletas nas escolas. Das mais de 50 modalidades disputadas nas olimpíadas nosso país ensina e pratica em nossas escolas apenas algumas poucas. As restantes são bancadas por clubes e instituições particulares. Dessa forma fica difícil surgirem talentos capazes de disputarem com países como a China, Estados Unidos e Reino Unido.

Há também uma evidente deficiência em nossas universidades no estímulo ao esporte, ao contrário de outros países onde o atleta que se destaca em algum esporte recebe bolsa de estudos e incentivos. No Brasil o COB (Comitê Olímpico Brasileiro) só investe em atletas de ponta. Os outros atletas tem que lutar por patrocínio de empresas e clubes para treinar e manterem-se aptos para competir.

Por outro lado é importante que a população brasileira valorize e apoie outros esportes. Não podemos pensar só em futebol. É importante ajudar o crescimento de outros esportes indo a outras competições.

Dizem que o Barão Pierre de Coubertin ao criar os jogos olímpicos não tinha como objetivo uma disputa entre nações pela primazia de alguns esportes, mas sim estimular, através da competição, o esporte como algo saudável e essencial ao ser humano. Ele pensava que as medalhas tinham uma função secundária.No entanto, no fundo, elas refletem de certa maneira o que um pais tem feito pelo esporte e já está na hora do Brasil torna-lo uma de suas principais prioridades.

João Fidélis de Campos Filho-Cirurgião-Dentista


Postar um comentário